Blog

Checklist de vacinas

Checklist de Vacinas
Dicas

Checklist de vacinas

Muitas vezes a palavra vacina é relacionada somente à crianças, visto que, a maior parte do calendário de vacinação é completado ainda no período infanto-juvenil. Contudo, um adulto também deve manter suas vacinas em dia, considerando que boa parte delas são indicadas para evitar complicações principalmente em indivíduos com doenças crônicas.

As vacinas são desenvolvidas para combater bactérias, como no controle de surtos epidemiológicos, e vírus, para imunizações que duram a vida toda, protegendo a pessoa por um longo período. Devido a importância da vacinação para a saúde, desenvolvemos no artigo de hoje um checklist para que você conheça quais vacinas deve tomar. Confira na leitura abaixo!

A importância das vacinas

Ao ser infectada pela primeira vez por um antígeno (substância estranha para o organismo) o sistema imunológico da pessoa produz anticorpos para combater o invasor. No entanto, essa produção não é feita em uma velocidade suficiente para prevenir o desenvolvimento da doença quando o sistema imunológico ainda não conhece aquele invasor, por isso a pessoa fica doente.

Entretanto, se após alguns anos o mesmo organismo invadir novamente o corpo daquela pessoa, seu sistema imunológico produzirá anticorpos em velocidade suficiente para evitar que a doença se instale. Essa proteção é chamada de imunidade.

A vacina é uma forma de gerar imunidade. Com os mesmo antígenos que causam a doença, mas enfraquecidos ou mortos, a vacina estimula o sistema imunológico a produzir anticorpos para a imunidade. 

Aquele que não se vacina coloca em risco sua saúde e também a de seus familiares e pessoas com quem tem contato, contribuindo para a circulação de doenças. A vacina é a melhor maneira de proteger-se de uma grande variedade de doenças e complicações que podem levar à morte. 

A maior parte das doenças que podem ser prevenidas com a vacinação são transmitidas pelo contato com objetos contaminados ou gotículas que espalham os agentes infecciosos pela tosse, espirro ou fala. A vacinação é capaz de erradicar doenças que mataram milhões de pessoas no passado, como o sarampo, rubéola e coqueluche. Por isso, as pessoas não devem deixar de se vacinar, buscando manter seu calendário de vacinação sempre em dia.

Vacinas para crianças e adolescentes

A seguir, você vai conhecer as vacinas que devem ser aplicadas nas diferentes fases da vida, e também aquelas que devem ser adquiridas por determinados grupos de pessoas. Confira o checklist das vacinas que devem ser administradas em crianças adolescentes.

BCG – Vacina contra tuberculose

A vacina BCG é aplicada de forma intradérmica, ou seja, em uma injeção sob a pele, e protege a criança contra as formas mais graves da tuberculose, doença contagiosa produzida por meio de bactérias que atingem o pulmão e pode causar graves danos à saúde ou até mesmo a morte. Sua imunização é feita em apenas uma dose, realizada logo após o nascimento, ainda na maternidade, sendo recomendado reforço de 6 a 10 anos. 

VOP – Vacina contra paralisia infantil

A vacina oral contra poliomielite (VOP), é produzida a partir do polivírus atenuado, e aplicada em 2 gotas, de forma oral, e em 3 doses, com intervalos de 60 dias entre cada uma delas. 

Indicada para todas as crianças maiores de 2 meses e menores de 5 anos, a vacina deve ser administrada nas seguintes idades: 2 meses, 4 meses e 6 meses de vida, com reforço aos 15 meses (1 ano e 3 meses). 

Além disso, a criança ainda deve participar de todas as Campanhas Nacionais de Vacinação contra a Poliomielite, independente de já estar imunizada. A VOP protege a criança contra a paralisia infantil, doença contagiosa provocada por um vírus que causa a paralisia súbita das pernas.

DTP – Vacina tetravalente

A combinação entre as vacinas contra a difteria, tétano e coqueluche resultam na DTP, vacina feita a partir de bactérias mortas e toxinas das bactérias. Aplicada em uma injeção intramuscular na região lateral da coxa em crianças menores de 2 anos, ou parte superior do braço em crianças maiores de 2 anos, a DTP é realizada em 3 doses com intervalos de 60 dias entre cada uma delas. 

Deve ser tomada aos 2 meses, 4 meses e 6 meses de vida, com reforço aos 15 meses. Além disso, a criança ainda deverá receber outro reforço aos 10 anos, com a dupla adulto (difteria e tétano). A vacina protege contra a infecção por difteria, tétano, coqueluche e também meningite, doenças extremamente graves que podem levar o indivíduo a complicações e à morte.

SRC – Vacina tríplice viral

Também uma combinação de vírus vivos atenuados, a vacina que protege a criança contra sarampo, rubéola e caxumba é aplicada de forma subcutânea (sob a pele), na parte superior do braço. A imunização deve ser feita em apenas uma dose em todas as crianças a partir dos 12 meses de idade, e também receber o reforço em todas as campanhas nacionais contra o sarampo. 

Vacina contra hepatite B

A vacina contra hepatite B, doença grave causada por vírus, é desenvolvida a partir de componentes do vírus e deve ser aplicada de forma intramuscular, (lateral da coxa em crianças menores de 2 anos e superior do braço em maiores de 2 anos). 

São 3 doses: a primeira ao nascer, a segunda em um intervalo de 30 dias, e a terceira 6 meses após a primeira dose. A vacina da hepatite B deve ser tomada também até os 19 anos por todos aqueles adolescentes que não foram imunizados quando criança. 

Vacina contra febre amarela

Constituída por vírus atenuados, a vacina contra febre amarela é aplicada na parte superior do braço de forma subcutânea, com a primeira dose a partir dos 6 meses e reforço a cada 10 anos em adolescentes e adultos, principalmente em regiões endêmicas. Além disso, a vacina deve ser recebida por todas as pessoas que pretendem viajar para estados que tenham casos registrados. A vacina não é recomendada em casos de gravidez.

dT – Dupla adulto

A vacina dT é fabricada com produtos de bactérias e é responsável por imunizar o adolescente e adultos contra difteria e tétano. Aplicada de forma intramuscular, deve ser recebida em 3 doses com intervalos de 2 meses entre cada uma delas (zero, dois e quatro meses). 

Todos devem tomar a dose em qualquer idade, sendo que, adolescentes que tiveram a dose aos 10 anos, devem receber reforço a cada 10 anos, quando adolescentes, adultos e também idosos. A vacina não é recomendada apenas em caso de gravidez.

SR – Vacina dupla viral

A vacina dupla viral é a combinação de vírus atenuados contra as doenças do sarampo e rubéola, aplicada de forma subcutânea e deve ser recebida por todos os adolescentes que não fizeram a imunização quando crianças, especialmente estudantes e profissionais da área da saúde e turismo, e pessoas que vão viajar para regiões com casos de epidemias. A vacina não é recomendada em caso de gravidez.

Vacinas para idosos

As vacinas desenvolvidas para idosos geralmente são aquelas indicadas para proteger contra surtos epidemiológicos ou então reforços, como é o caso da dT. Veja a seguir, outras vacinas que maiores de 60 anos também devem receber.

 Influenza – Vacina contra gripe

A vacina contra a gripe é obtida a partir de vírus mortos, e deve ser recebida anualmente. Isso porque, devido a mutação do vírus, uma nova vacina é desenvolvida a cada ano para imunizar o indivíduo do vírus em circulação naquele momento.

Aplicada de forma intramuscular na parte superior do braço, a dose deve ser recebida por todas pessoas maiores de sessenta anos, sempre durante as campanhas nacionais de vacinação. 

Pneumococo – Vacina contra pneumonia

A vacina que protege contra a pneumonia é obtida a partir de substâncias da bactéria causadora da doença. Pode ser aplicada de forma intramuscular ou subcutânea, e sua dose é única, com reforço após 5 anos. É indicada para indivíduos maiores de 60 anos que vivem em instituições fechadas, como casa de repouso, asilos e hospitais.

Outras vacinas

Além das vacinas indicadas acima, gratuitas e oferecidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS), a carteira de vacinação deve receber outras imunizações específicas para a prevenção de algumas patologias ou tratamento. Você vai conferir as principais delas, a seguir. 

HPV – Vacina contra papilomavírus humano

A vacina que previne contra os 4 tipos de HPV existe para homens e mulheres. O vírus, transmitido por meio de relações sexuais, é responsável por 90% dos casos de câncer de colo do útero no Brasil.

A vacina quadrivalente pode ser tomada por homens e mulheres em 3 doses da seguinte forma: intervalo de 30 dias entre a 1ª e a 2ª, e 6 meses entre a 2ª e a 3ª dose. As doses são recomendadas para pessoas entre 9 e 26 anos, em especial aqueles que ainda não iniciaram a vida sexual, garantindo maior eficácia.

Herpes Zóster

Essa vacina protege contra a herpes zóster, infecção viral que provoca vesículas na pele, acompanhadas de dor aguda. Causada pelo mesmo agente da catapora, vírus varicela-zoster, a herpes zóster acomete pessoas que tiveram a doença em algum momento da vida e ficaram com o vírus adormecido no corpo.

A doença aparece geralmente em pessoas acima dos 50 anos, por isso, a vacina que é administrada em dose única subcutânea, é indicada para indivíduos nessa faixa etária como forma de prevenção à doença.

Hepatite A

A vacina contra hepatite A protege contra a doença e pode ser aplicada em crianças maiores de 12 meses. De forma intramuscular, a vacina é feita em duas doses com intervalo de 6 meses para crianças entre 1 e 16 anos, e 3 doses para adolescentes maiores que essa idade, adultos e idosos, sendo a 2ª dose 30 dias após a 1ª, e a 3ª dose 5 meses após a segunda.

Rotavírus

O rotavírus é considerado um dos mais importantes agentes causadores da gastroenterite e óbitos em crianças menores de 5 anos. A vacina é constituída por vírus vivos atenuados que protegem a criança contra a doença. Em duas doses via oral, as crianças devem ser imunizadas aos 2 meses de vida e aos 4 meses com a segunda dose.

Varicela

A varicela, ou catapora, é uma doença comum na infância, sendo uma das doenças infecciosas mais contagiosas. Sua vacina é indicada para crianças saudáveis entre 12 meses e 12 anos, e é aplicada em dose única, sendo indicada também para adultos que devem receber duas doses.

Asma e rinite alérgica

Atualmente, já é possível combater a asma e a rinite alérgica por meio de vacinas. Diferente das convencionais, a vacina para asma ou rinite alérgica deve ser prescrita por um alergologista ou alergista após realizar testes para identificar quais fatores despertam a resposta alérgica no paciente.

Com o resultado, fabrica-se uma vacina específica e individual contendo pequenas doses dos componentes que causam a alergia, servindo como modulador para que o sistema imunológico não apresente mais inflamação contra a substância.

Você pôde acompanhar um checklist das vacinas que devem constar na sua carteira de vacinação, além de outras imunizações que podem ser encontradas em clínicas especializadas. Caso sua vacinação não esteja em dia, corra para atualizá-la, garantindo sua saúde e bem-estar.

Ainda tem dúvidas sobre vacinas? Então, entre em contato conosco. Estamos prontos para ajudar!

Deixei sua mensagem aqui

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Tags Populares