Blog

O que você pode ou não publicar em um site médico

site_medico
Dicas

O que você pode ou não publicar em um site médico

Com o avanço da tecnologia, a internet acabou sendo parte fundamental do cotidiano das pessoas, tornando-se uma ferramenta prática e útil na vida de cada um.

Por essa razão, empresas têm explorado o marketing digital para divulgar seus produtos e serviços, e isso não poderia ser diferente na área da saúde.

Entre as principais estratégias para atingir estes objetivos, o desenvolvimento de um site médico e perfis em redes sociais é uma importante forma de criar um canal de comunicação entre o profissional e seus pacientes.

Mesmo que pareça inusitado divulgar o trabalho na internet, ter um site bem produzido e estar presente nas mídias sociais é uma maneira de ganhar visibilidade no mercado, alternativa essencial para clínicas e consultórios. 

Pensando nisso, desenvolvemos o artigo de hoje para que você entenda como utilizar a internet a seu favor, sabendo o que pode ou não ser publicado em um site médico. Acompanhe conosco!

O que é marketing médico

O marketing médico é um conjunto de práticas que propõe divulgar o trabalho do profissional com o objetivo de criar uma diferente comunicação com possíveis novos pacientes, demonstrando o valor e diferencial do médico. 

Por meio de um site médico e presença em redes sociais, o marketing para profissionais da saúde enxerga o público-alvo como pacientes e proporciona atendimento humanizado, ou seja, pessoas que procuram por assistência médica quando sentem-se fragilizadas por questões relacionadas à sua saúde, afetando seu emocional e estabilidade. 

Qual a importância de ter um site médico

Antigamente, pacientes só conheciam seus médicos por meio de indicações e catálogos de planos de saúde e convênio. Contudo, nos dias atuais, a internet possibilita a procura e acesso de qualquer assunto, assim como médicos de diferentes especialidades médicas. 

Um profissional não encontrado na internet perde grande oportunidade de atração para sua clínica. Além disso, o site médico é uma forma de levar credibilidade e apresentar um pouco mais sobre o trabalho do profissional ao futuro paciente.

Benefícios de um site médico online

A internet é, sem dúvidas, a primeira fonte de consulta da maior parte das pessoas. A pesquisa é uma forma de procurar atendimento de profissionais especializados e informar-se a respeito de doenças e estado de saúde. 

Desta maneira, investir na criação de um site médico é uma maneira de atrair novos pacientes que poderão encontrá-lo por meio de filtros de pesquisa. Além disso, é possível abrir um canal de comunicação com os visitantes, educando-os com conteúdos que contenham informações pertinentes, e informando-os sobre atendimentos disponíveis.

A presença online de site médico e redes sociais também permite que o profissional se relacione com pacientes antigos ou novos. Essa relação médico-paciente pode iniciar no contato online e se solidificar dentro do consultório, caso a impressão online seja positiva.

O mesmo pode ser feito na produção de conteúdos. Ao buscar informações relevantes sobre seu estado de saúde, o paciente encontra um artigo enriquecedor online. Desta forma, o site médico fornece conhecimentos sobre assuntos que sejam do interesse dos visitantes, assim como dados sobre a carreira do profissional, áreas de especialização, localização do consultório e procedimentos e exames.

O que não pode ser publicado em um site médico

Sendo a publicidade uma importante ferramenta para divulgação, conquista de novos pacientes, e elevação da fidelização para seu retorno, algumas estratégias devem ser consideradas a fim de evitar restrições quanto à publicidade e propaganda voltada aos serviços médicos.

Pela grande preocupação que o tema desperta, o Conselho Federal de Medicina (CFM) apresenta na Resolução 1.974/11 o Manual de Publicidade Médica. Independente de sua especialidade, todos os médicos estão sujeitos às normas estabelecidas por este documento. 

A Comissão de Divulgação de Assuntos Médicos (CODAME) é responsável por avaliar, sob ponto de vista ético, a publicidade e publicações de assuntos médicos. Caso o profissional descumpra as normas do Código de Ética Médica, poderá ser convocado para esclarecimentos, sendo determinada a imediata suspensão do anúncio, e até possível instauração de sindicância.

Buscando orientar a classe sobre a produção e divulgação de materiais no site médico, o CFM estabeleceu tais limites para evitar abusos e ações antiéticas. Confira as principais restrições e saiba o que não deve ser publicado em seu site médico.

Publicar fotos de pacientes em material promocional

É proibido o uso de fotografias de pacientes, mesmo que com autorização, para demonstração do resultado de procedimentos ou tratamentos em site médico, redes sociais, folders e também anúncios impressos. 

O uso da imagem do paciente só pode ser feita em eventos ou apresentações científicas, desde que com autorização prévia. Apesar de muito populares, as selfies também devem ser evitadas.

Imprimir sensacionalismo

Assim como as redes sociais, um site médico é uma ótima forma de compartilhar conhecimentos e informações, além de divulgar seu trabalho para novos pacientes em potencial. Com a permissão da divulgação de telefone e endereço dos consultórios, alguns cuidados devem ser tomados no momento de desenvolver posts, evitando tom sensacionalista ou que possa sugerir que os resultados dos tratamentos sejam garantidos.

Garantir resultados por meio de equipamentos

É comum o alto investimento em equipamentos que apresentem tecnologia cada vez mais avançada. Realizar a divulgação de tais materiais adquiridos é uma das formas de atrair pacientes e informar o uso de novas técnicas. Mesmo que os profissionais tenham autorização para essa divulgação, a publicidade não pode ser realizada de forma que garanta o sucesso do procedimento com o uso dos equipamentos.

Comunicar diversas especialidades

O anúncio das especialidades médicas do profissional pode ser feita, assim como de seu registro no CRM (Conselho Regional de Medicina) local. Contudo, a propaganda deve fazer menção a duas especialidades, no máximo. É proibido a divulgação de mais de duas especializações por médico. Outra publicidade permitida é a apresentação das sociedades médicas das quais o profissional é membro.

Publicar titulações não reconhecidas por órgãos acadêmicos

A referência sobre títulos acadêmicos em site médico, redes sociais e materiais promocionais, pode ser realizada desde que tenha relação à área de atuação médica, e que seus títulos acadêmicos anunciados sejam registrados no CRM. A divulgação de especialidades ou áreas de atuação não reconhecidas pelo CFM ou Comissão das Especialidades é proibida.

Utilizar expressões vetadas

A elaboração de conteúdo para divulgação e comunicação sempre busca mostrar a qualidade dos serviços e sucesso do profissional. No entanto, nenhum informativo pode trazer expressões que caracterizem propaganda enganosa, como termos sensacionalistas, como:

  • o melhor;
  • o único capacitado;
  • o mais eficiente;
  • garantia de resultado, e outros.

Participar em anúncios e propagandas

O Manual de Publicidade Médica proíbe a participação de profissionais da medicina em anúncios de marcas e produtos comerciais, técnicas e métodos não aceitos pela comunidade científica. A restrição também se aplica a entidades sindicais e associações médicas.

Promover-se em entrevistas

Ao participar de entrevistas a órgãos de imprensa, o médico tem como função transmitir conhecimentos e esclarecer informações à sociedade. Sua apresentação deve conter somente nome completo e especialidade. Sendo assim, o profissional não pode se autopromover fornecendo endereço ou telefone de consultório. As entrevistas também não podem ser realizadas para fins lucrativos. 

Divulgar valores

É proibido a divulgação de preços de consultas, procedimentos, formas de pagamento e parcelamento em redes sociais, site médico e outros materiais de publicidade. Também não é permitido a promoção de descontos, brindes, ou serviços diferenciais.

Realizar consulta, diagnóstico e prescrição online

O CFM não permite a realização de consultas, diagnósticos ou prescrições por qualquer meio de comunicação digital, seja em redes sociais, site médico, ou outros canais de comunicação que não sejam o atendimento presencial. Afinal, a interação entre paciente e médico é insubstituível, o mesmo se aplica ao exame físico.

Publicar imagens comparativas

A divulgação de fotos do paciente são proibidas, assim como imagens que apresentem o antes e depois de métodos e procedimentos, mesmo com a autorização concedida pelo próprio indivíduo. 

Como investir corretamente em um site médico

Planejar o conteúdo de seu site médico é essencial para identificar seus objetivos de ação e como atingi-los. Definir o público-alvo é uma alternativa que pode ser realizada com a ajuda da lista de pacientes. Ao analisá-la, o médico pode ter acesso a informações importantes, como idade, sexo, classe social e outros dados. 

Após identificá-los, deve-se entender os hábitos dos pacientes nas redes sociais. Uma boa forma é procurando em canais digitais, definindo as mídias que serão usadas para divulgar o conteúdo médico.

Ofereça conteúdo relevante e de qualidade

No site médico deve ser compartilhado conteúdo referente à especialidade médica do profissional. Com materiais como artigos, vídeos, imagens e outros conteúdos, o visitante pode tirar dúvidas, acompanhar procedimentos, entender patologias e conhecer a carreira do responsável pelo site. Lembre-se que, a entrega deve ser sempre de conteúdos baseados em conhecimentos científicos, de forma profissional e ética.

Incentive o engajamento de possíveis pacientes com bons conteúdos, que sejam de fácil leitura e interpretação. Considere as dúvidas mais comuns dos pacientes, explicando-as de forma detalhada e interessante. 

Ter um site médico alimentado com conteúdo de qualidade transmite segurança às pessoas, levando-as a ter o nome do profissional como referência. Alguns conteúdos que podem ser criados para chamar a atenção e proporcionar a educação dos visitantes, são:

  • diferença entre medicamentos;
  • sintomas de uma doença;
  • efeitos secundários de um tratamento;
  • comparação entre planos de saúde;
  • exames solicitados em cirurgias, e outros.

Mantenha a página atualizada

A presença na internet por meio de site médico e redes sociais é uma maneira de expor o trabalho médico como uma vitrine. Por isso, é preciso manter mídias e assuntos atualizados, pensando na visibilidade online. Programe conteúdos ao mês para evitar a desatualização da página e, consequentemente, o desinteresse dos pacientes em acessá-la.

Facilite a navegação

Caso o objetivo do site médico seja proporcionar serviço de qualidade, ele deve estar devidamente adaptado para receber todos os tipos de visitantes. As informações devem estar claras e precisas, de forma que possam atingir todos os públicos.

Ao desenvolver o site, pense em quais serão as necessidade dos pacientes que o visitarem. Faça a si mesmo perguntas como: o que o paciente busca ao procurar meu site? Qual a melhor forma de entregar essas informações? A página é de fácil acesso? Seu layout é atrativo a primeira vista?

Elementos visuais em excesso podem tornar a navegação difícil, por isso, é fundamental ser direto, dando destaque à informações importante e eliminando características que possam deixar o acesso complicado, como a necessidade de muitos cliques ou muito conteúdo na mesma página.

Garanta o acesso por dispositivos móveis

A maior parte dos acessos à internet no Brasil são realizados por dispositivos móveis. Diante disso, publicar um site médico que só funcione quando acessado pelo computador não é uma boa forma de atrair visitantes.

Certifique-se que o layout das páginas também está adequada para múltiplos formatos de tela, e evite que a página seja sobrecarregada de recursos, tornando o acesso lento e afetando a navegabilidade por dispositivos móveis.

Investir em um site médico é uma alternativa essencial para aumentar a visibilidade e conquistar novos pacientes na busca online. Criar conteúdos informativos e manter-se alinhado com seu público-alvo é importante, contudo, é fundamental o respeito à regras e código de ética. Uma boa forma de evitar problemas com informações e práticas proibidas, é manter-se especializado no assunto.

É possível manter-se atualizado em diversos campos da área médica a qualquer hora, e em qualquer lugar por meio de cursos online de medicina.


Gostou deste conteúdo? Que tal continuar aprimorando seus conhecimentos? É só se inscrever para receber uma aula gratuita referente à s

Comment (1)

  1. […] Para que o profissional tenha sucesso em sua live médica, ele deverá seguir também as normas de ética estabelecidas pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) relacionadas a participação do médico em divulgação de assuntos profissionais em qualquer meio de comunicação de massa, afinal, não é tudo que se pode publicar em um site ou canal médico. […]

Deixei sua mensagem aqui

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Tags Populares